quinta-feira, 24 de abril de 2008

Malocar é crime

Provavelmente muita gente não imagina que exista esse tipo de problema aqui no Japão. Pior! Muitas pessoas devem achar que esse tipo de coisa não acontece em países de primeiro mundo. Ou pior ainda! Muitas pessoas podem achar que isso é coisa típica de Brasil. Mas não é! Estou falando da prática de furtar artigos de lojas.
Em japonês, o termo não é nada raro. A palavra 万引き (manbiki) é usada normalmente e pode ser vista nos cartazes expostos em algumas lojas, principalmente aquelas cujos clientes são jovens ou aquelas lojas que já tiveram artigos roubados. Nos cartazes, normalmente o layout varia de acordo com a loja, mas, em geral, o conteúdo é sempre o mesmo: 万引きは犯罪です。発見した場合は直ちに警察に通報します / Furtar artigos de loja é crime. Se for descoberto, será imediatamente notificado à polícia. No Brasil, o máximo que eu ouvia falar com muita frequência, era pegar bala nas Lojas Americanas. O que não significa que não haja outro tipo de roubo, eu sei. Mas confesso que furto de livros, eu realmente, nunca tinha ouvido falar no Brasil. Pelo menos não com a frequência que eu ouvia sobre pegar balas.
Hoje pela manhã, eu li um artigo muito interessante no jornal Yomiuri e resolvi escrever este post. Imagino que muita gente não saiba que aqui no Japão aconteça isso. Mas, ainda no Brasil, eu já conhecia essa palavra 万引き. A matéria falava sobre esses casos de roubo. Segundo o jornal japonês, as maiores livrarias do país perdem bilhões de ienes com esses furtos, praticados, muitas vezes, por jovens estudantes! Veja alguns pontos mais interessantes da matéria que eu resolvi traduzir especialmente para o Muito Japão.
紀伊国屋書店や三省堂書店、有隣堂など大手書店14社の万引きによる年間被害額が約40億円と試算されることが、出版社や書店などでつくる日本出版インフラセンター(東京・新宿区)の調べで分かった。
Cerca de 14 grandes livrarias japonesas perdem por ano aproximadamente ¥4 bilhões com maloqueiros (malocar: ato ou efeito de lalar, surrupiar, passar a mão...). A Japan Publishing Organization divulgou o resultado da pesquisa que mostra o prejuízo de grandes livrarias japonesas, entre elas, as famosas Kinokuniya, Yurindo e Sanseido. Segundo a reportagem, outra coisa que chamou a atenção foi a omissão dos pais das crianças que cometem esse tipo de crime.
同センターの調査は、今年1月から2月にかけて、大手書店14社計1161店舗を対象に行われ、14社643店舗から回答があった。本の販売に伴って発生した店側の損失額は計約55億円で、このうち、伝票の打ち間違いなど店側のミスや売れ残った本の処分による損失は約15億円。同センターは損失額の合計からミスなどによる損失を除いた約40億円が万引きによる被害と推計している。この額は年間総売り上げ2909億円の1・4%にあたる。
A pesquisa foi feita entre janeiro e fevereiro deste ano com 643 lojas de 14 grandes livrarias do país. O levantamento revelou também que uma parte do prejuízo das livrarias - cerca de ¥ 1,5 bilhão - provém de erros das próprias livrarias na emissão de notas e com livros que deixaram de ser vendidos. Mas é com os larápios que o rombo nos lucros fica ainda maior. Os ¥4 bilhões que as livrarias perdem, equivalem a 1,4% das vendas de um ano inteiro.
被害を受けている都内の書店によると、コートの裏側にたくさんのポケットを作ったり、ベビーカーやキャリーケースなどを使ったりして大量に盗もうとするケースが相次いでいるという。2人組の1人が店員に本の注文方法を聞いている間にもう1人が盗む例もあった。
Um funcionário de uma livraria que já teve livros roubados disse que tem aumentado o número de casos de pessoas que escondem uma grande quantidade de livros nos bolsos da parte interna do casaco, em carrinho de neném e até naquelas maletas com rodinhas, típicas de comissários de bordo. Ele também lembra que há casos em que enquanto um conversa com o vendedor fingindo estar perguntando sobre como encomendar livros, um segundo se encarrega de passar a sacolinha.
万引きした子供を引き取りに来た際、子供をかばって、「捕まえられてかわいそう。なんで取りやすい場所に置くんだ」と店側に抗議する親もいる。また、店側に呼び出された親が「払えばいいんだろう」と開き直ったり、子供に向かって「つかまってアンラッキーだったね」などと慰めたりする光景も見られるという。
A reação dos pais também foi relatada na reportagem. Uma vez pego o jaspion-vilão, os pais são chamados para irem buscar o espertinho. Segundo a matéria, tem pai que protesta contra a loja e chega a dizer coisas do tipo: "Coitadinho do meu filho! Também né...vocês não podiam botar esses livros num lugar mais difícil de pegar!?". E mais! Tem pai até que se vira para o lojista e diz: "É o dinheiro do livro que vocês querem né isso?". Isso quando não se viram para os filhos e dizem: "Putz! Que azar hein! Deu bobeira né?!".

No Youtube, encontrei um vídeo que mostra o cuidado e a preparação que o criminoso tem para furtar dois livros. A câmera mostra tudo claramente e o momento exato em que ele esconde tudo no casaco. Veja você mesmo(a)!

Ficamos com a palavra em japonês de hoje: 新聞 (shinbun), em português, "jornal".

5 comentários:

baino disse...

Interessantíssimo!
Este é um assunto para ser debatido. Será por isso que o brasileiro ler pouco???

Myogen disse...

Inacreditável! E a gente ainda pensa que eles são todos santinhos, civilizados e tal... hehehe
Valeu pelo post!

C@ruso disse...

Nossa! É primeiro mundo mesmo ! Roubo de livros ??!!! Aqui não tem tanto roubo de livros. Que chique!

É um post curioso.

Sds,
Seu brother.

vitor disse...

Oi, Caruso.
Aqui é o Vítor, seu ex-colega de redação. Eu trabalhei em duas livrarias e o problema de furto de livros era constante. Tinha desde os ladrões de livros populares, que custavam entre R$30 e R$40 até o pessoal que furtava livro jurídico, alguns que chegavam a custar R$300. Ou seja, no Brasil até advogados roubam livros.

Anônimo disse...

Poxaaaaaaaaa deviamos roubar em sinal de protesto pelo preço dos livros O_O cada uma k é olho da cara...mas aki rola mais é a famosa xerox XD