segunda-feira, 28 de maio de 2007

Você (não) está sendo filmado (?!)

Sempre penso “Muito Japão!” quando me deparo com algo ao relento, literalmente, dando mole, mas ainda ali, no lugar, intacto. Foi assim com os jornais e com as bicicletas paradas perto de uma estação aqui perto de casa. Tudo bem. É bem verdade que aqui no Japão, se você der mole, levam sua bicicleta sim. Mas hoje mesmo eu passei perto da estação e tinha um monte delas sem cadeado, sem tranca...nada! Aliás, dia desses passei por uma floricultura (foto) e parei para ver o que tinha. Fiquei uns 10 minutos olhando as flores e ninguém apareceu. Resolvi comprar um buquê, mas aí pensei: pagar para quem? Nessa altura, eu já estava ali com as flores nos baldes com as plaquinhas de preços durante uns 15 minutos e nenhuma alma apareceu. Pensando como brasileiro, imaginei logo que tivesse alguma câmera escondida, para que no momento em que eu fizesse menção em tocar em algum buquê, alguém fosse aparecer. Eu peguei um e fingi estar escolhendo outro. Minha idéia falhou. Ninguém apareceu. Depois decidi pensar como japonês e comecei a procurar alguma caixinha onde eu pudesse depositar o dinheiro e ir embora tranquilamente. Mas...nada. Nem caixinha, nem atendente. Minha próxima tática foi bancar aqueles convidados de jantar chique que não sabe se começam a pegar os talheres de fora para dentro ou de dentro para fora, e ficam só olhando. Foi o que eu fiz. Parei para olhar. Deu certo! Uma japonesa chegou toda decidida. Pegou um buquê e se foi!! Se foi?!??! É de graça?!?! Mas e os preços?? Se é de graça por que tem tantas flores lá ainda?? Confesso que pensei nisso tudo em dois segundos até decidir seguir a moça. Pronto. Mistério desvendado. Eu sou um gringo muito burro e moro em um país onde há ainda muita gente honesta. Onde eu estava era simplesmente a parte lateral da floricultura. O sistema é pegar o buquê e pagar no caixa, lá dentro da loja, para a atendente que fica atrás de um balcão. E as flores? Elas ficam lá...sozinhas...ao relento....sem tranca (rs)...nada!

7 comentários:

Alexandre disse...

Demais! Incrível !! É mais uma prova de que honestidade e educação não dependem de investimentos do governo.
Confesso que, em se tratando de Japão,pensei que a conta chegaria em forma de torpedo no celular. :) Belo Post.

vitor disse...

Realmente no Brasil as coisas mudaram muito. Meu pai costumava falar que no Brasil era assim também antigamente. Só com o aumento dos furtos é que os comerciantes começaram a se precaver mais. Uma pena.

Andrea disse...

Isso eu já tinha percebido mesmo...aqui as pessoas são honestas de verdade, muito bacana mesmo!!!! Eu não só fã fã do Japão, mas muitas coisas aqui me encantam.
Karuzo eu fiz uma pergunta para Karina no blog dela e vou repetir aqui, gostaria de saber sua opinião sobre o assunto: Desde que cheguei aqui vejo muitos brasileiros reclamando da medicina japonesa. Muitos tiveram que voltar ao Brasil para se tratar pq aqui ou não se curaram ou tiveram diagnóstico errado. Isso vem me preocupando, afinal japonês tb não fica doente??? Será q somos tão diferentes que os médicos não conseguem achar o problema? Sem contar que aqui é um país de primeiro mundo...bjssss e ótima semana!

Luiz Guilherme disse...

Incrível, realmente. Não seria, no entanto, por ser muito barato? Será que se fossem celulares em modelos que despertam o desejo de comprar e nem todos podem ter a coisa funcionaria da mesma forma? Enfim, uma coisa é certa. Espírito de porco, se tem, é raro, pq aqui, mesmo que ninguém roube, alguém destrói. rs. Uma pergunta: vc vê paredes pixadas por aí? Abraços

Karina Almeida disse...

hahaha... vc eh MUITO "GAIJIN"! mas eu confesso q tb me atrapalho toda nessas ocasioes. e morro de medo de acharem q to a fim de roubar :P

Raquel disse...

Pois é, né! A gente não tá acostumado com essas coisas...

Sempre achei engraçado aquela geladeira de bebidas que tem do lado de fora dos quiosques das estações de trem. Quando você abre a porta toca uma espécie de sininho pra avisar o dono lá dentro que alguém está pegando bebida.

Só que as estações são tão barulhentas e movimentadas que ninguém garante que a pessoa lá dentro ouve o sininho. E se algum desonesto resolvesse pegar a bebida e sair andando talvez nem fosse pego.

Mas quem disse que alguém se arrisca? Não sei se é por honestidade mesmo ou se por medo da vergonha de ser flagrado.

É por essas e outras que eu adoro o Japão! Se tem uma coisa que japonês tem muito é vergonha na cara.

Kuni disse...

Vou contar uma historia que tava guardando pro meu blog "Muito Brasil" q nao nasceu ainda.Antes de voltar pro Japao, nao sabia o q fazer com um monte de coisas q queria jogar fora lah em Porto Alegre. Ai tive uma ideia brilhante! Botei tudo numas sacolas grandes e deixei numa praca perto de casa, com esperanca de q alguem levasse. A estrategia deu certo. No dia seguinte, fui olhar se as sacolas ainda estavam lah e nao vi nada! Nem uma cueca caida no chao. Mas nao vou dizer q por isso q eu gosto do Brasil...rs.